quinta-feira, 20 de março de 2008

And the next travel is...

* Quando estava no Charlles de Goule em paris fui abordado por um cidadão que jura de pés juntos que eu sou seu conterraneo da Albânia...bem quem sou eu para negar, não é mesmo? então logo que cheguei de viagem a primeira coisa que fiz foi procurar onde fica essa minha, até então desconhecida, pátria!







Bandeira do meu país!







Localização, no entando a yoguslavia fui fragmentada em N pedaços, e onde esta escrito yoguslavia no mapa leiam Servia e monte negro(mapa velho).









Um dia ainda farei um retorno a essa minha terra natal ^_~









Foto de um Albânes que eu vi no espelho!




Que bom que só os homens albâneses são feios!

Albânia

A Albânia (em albanês: Republika e Shqipërisë) é um país europeu situado na península balcânica, cuja capital é Tirana. Faz fronteira ao norte com a Sérvia e Montenegro, a leste com a Macedónia, a leste e a sul com a Grécia e a oeste com o Mar Adriático, do outro lado do qual se encontra a Itália. A língua oficial é o albanês.


A Hístoria



O nome Albânia deriva de uma tribo, os Albanoi, antepassados dos Albaneses atuais. Shqiperia é o nome do país em albanês.
A
Albânia tem origem no antigo Reino da Ilíria. Conquistada pelos romados em 168 a.C., é incorporada ao Império Bizantino em 395. No século XV cai em poder dos turcos otomanos, que convertem a população ao islamismo e adotam uma política despótica, despertando o nacionalismo albanês, duramente reprimido.
Antes do
Século XX, a Albânia foi sempre dominada por estrangeiros, excepto entre 1443 e 1478, durante a revolta contra o Império Otomano. A Albânia declarou sua independência durante a primeira guerra dos balcãs, em 1912 e permaneceu independente após a Primeira Grande Guerra em grande parte devido à intercepção do Presidente Americano Woodrow Wilson na Conferência de Paz de Paris (1919).
Em
1939, a Itália, sob comando de Benito Mussolini, anexa a Albânia. Com o render das tropas italianas em 1943, durante a Segunda Guerra Mundial, tropas germânicas ocuparam o país. Guerrilheiros, incluindo os da comunista Frente Libertação Nacional (FLN), ganharam o controlo em 1944, após a retirada dos alemães. Desde a intervenção dos comunistas da Jugoslávia na criação do Partido Comunista Albanês do Operariado em Novembro de 1941, o regime da FLN, liderado por Enver Hoxha, tornou-se num satélite virtual juguslavo até ao rompimento entre Tito e Stalin em 1948. Consequentimente, o comunismo linha-dura começou a ter dificuldades crescentes com a União Soviética sob o comando de Nikita Khrushchov, tendo seu ápice em 1961 quando os líderes soviéticos abertamente denunciaram a Albânia em um congresso de partido. Os dois estados quebraram relações diplomáticas naquele ano; entretanto, a Albânia continuou membro nominal do Pacto de Varsóvia até a invasão da Checoslováquia em 1968.
Em
1945, uma missão não oficial dos Estados Unidos da América foi enviada à Albânia para estudar a possibilidade de estabelecer relações com o regime. Entretanto, o regime negou-se a reconhecer a validade dos tratados pré-guerra, aumentando as hostilidades com a missão americana até a sua retirada em novembro de 1946. O governo dos EUA não manteve contato com o governo da Albânia entre 1946 e 1990.
Durante os anos
1960, a China emergiu como leal aliada da Albânia e fonte primária de assistência econômica e militar. Entretanto, esse relacionamento próximo caiu em 1970, quando a China decidiu introduzir algumas reformas de mercado e procurar uma reaproximação com os EUA. Depois de anos de relações sólidas, a ruptura aberta veio em 1978, quando o governo chinês terminou seu programa de ajuda e cortou todo o comércio. O embargo econômico dos paises imperialistas resultou na ruína financeira para a Albânia.
Por volta de
1990, mudanças em todos os lugares do bloco comunista começaram a influênciar o pensamento na Albânia. O governo começou a procurar laços com o Ocidente para melhorar as condições econômicas no país. A Assembléia do Povo aprovou uma constituição interina em abril de 1991. Governos de curta duração Introduziram reformas democráticas iniciais no decorrer de 1991. Em 1992, o vitorioso Partido Democrata sob o governo do presidente Sali Berisha começou um programa mais deliberado de reformas econômicas e democráticas. O progresso parou em 1995, resultando em um declínio da confiança pública no governo e uma crise econômica encorajou a ploriferação e colapso de muitos esquemas financeiros. A crise de autoridade no começo de 1997 alarmou o mundo, trazendo intensa mediação e pressão internacionais. Eleições antecipadas realizadas em junho de 1997 trouxeram à vitória uma coalizão de partidos liderados por socialistas. Os observadores internacionais julgaram as eleições legislativas em 2001 aceitáveis e um passo em direção ao desenvolvimento democrático, mas identificaram sérias deficiências que devem ser sanadas com reformas no código eleitoral albanês.




fonte wikipedia

2 comentários:

Shakadal disse...

See here or here

Anônimo disse...

poh nuam vai atualizar naum/
/???